CAMPOS MAGNÉTICOS
Diogo Evangelista

19.03.2022 – 27.05.2022

Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Farewell to Earth
Ylem the Egg
Exit full screenEnter Full screen
previous arrow
next arrow

Campos Magnéticos, a segunda exposição de Diogo Evangelista na Galeria Francisco Fino, exibe um novo corpo de trabalho em pintura, vídeo e instalação. No ambiente que configurou, o artista apresenta uma seleção de obras que reforçam o seu interesse no conceito de exposição como um lugar generativo, espaço interior, bem como uma paisagem puramente mental de experimentação e de teste à realidade tangível. Concebido como uma experiência espácio-temporal, o conjunto de obras, na sua maioria inéditas, conduz o visitante numa viagem entre imagens fixas e em movimento — num universo em mutação, composto por diferentes organismos em fluxo.

Farewell to Earth é uma série de nove pinturas em acrílico, em forma de pentagrama. Várias sociedades antigas e contemporâneas compreendem o pentagrama como símbolo de transformação, renascimento, e de relação entre os seres humanos e o Universo. Pintadas no verso com partículas líquidas de crómio, as peças adquirem as características de um espelho — devolvendo-nos assim a presença física num espaço virtual, incorporando-a num lugar irreal, sem geografia. Esta experiência é intercetada pela reprodução de um conjunto de ícones urbanos, com os quais o artista convive diariamente. Ruído visual, quase invisível, que aqui ganha lugar.

The One and The Others é o elemento de ligação à sua exposição anterior (Íris, Brotéria, 2021), cuja presença reforça a ideia de uma exposição contínua, que integra vários universos, numa progressão de interações — uma narrativa fragmentada em diferentes episódios. A obra consiste numa escultura de luz composta por nove elipses que remetem para a ideia de sistema. Concebida com base num conjunto de desenhos produzidos pela máquina Spiritual Automata, apresentados na galeria em 2019, a peça parte da existência hipotética de um planeta no sistema solar, até hoje desconhecido. Esta visão cósmica, igualmente metafórica, remete-nos para uma reflexão acerca das dinâmicas, comportamentos e identidade de grupo dentro de um sistema. Enquanto algumas formas parecem estar isoladas, outras aparecem no anonimato do conjunto. Ainda assim, só podem existir numa interdependência entre elas.

Bonus é um fantasma que integra a narrativa da exposição de uma forma intermitente e intercalada com as restantes peças. É um momento hiper-real que acompanha em direto o progresso da International Space Station (ISS) em torno do planeta Terra, a uma velocidade de cerca de 27.000 km/h, orbitando 16 vezes por dia, 90 minutos por volta. Evangelista apropriou-se do live-stream contínuo, emitindo-o em direto e em grande escala, a cada 45 minutos. Esta transmissão é acompanhada por uma banda sonora que resulta de uma abstração expandida de uma versão da música Because dos Beatles, atribuindo desta forma um caráter melancólico à experiência — não só de um ponto de vista ambiental em relação ao planeta Terra, mas também face a todas as relações políticas e sociais que hoje se encontram em rutura. A ISS foi um símbolo de união desde os anos 90, resultado de um esforço de várias nações (hoje divididas) numa curiosidade comum.

Ylem the Egg (HD vídeo, cor, som, 8 min) obra que encerra a cosmologia da exposição, retrata a eclosão de uma das maiores aves do planeta. Através de uma narrativa ficcional em torno do ovo e do pássaro, este vídeo sugere uma viagem a um período jurássico, aos conceitos de princípio e de origem, ao big-bang, e à relação entre interior e exterior a diferentes escalas. Ylem não só foi o nome atribuído em laboratório ao ovo representado no vídeo, como também é o termo utilizado para designar a “matéria primordial” que se acreditava ser o conteúdo do Universo na origem da sua formação. Aquilo que em várias mitologias antigas foi denominado ‘ovo cósmico’.