MORPHOGENESIS

15.05.2017 – 28.07.2017

GFF_Morph_Hero2
Morphogenesis 2017
Morphogenesis_2017_028
Morphogenesis_2017_264
Morphogenesis_2017_252
Morphogenesis_2017_243
Morphogenesis_2017_236
Morphogenesis_2017_159
Morphogenesis_2017_119
Morphogenesis_2017_093
Morphogenesis_2017_075_053
Morphogenesis_2017_066
Morphogenesis_2017_060_071s
Morphogenesis_2017_049
Morphogenesis_2017_042
Morphogenesis_2017_038
Morphogenesis_2017_035
Exit full screenEnter Full screen
previous arrow
next arrow
Gabriel Abrantes
Caroline Achaintre
Vasco Araújo
Irma Blank
José Pedro Cortes
Debora Delmar Corp.
Alexandre Estrela
Karlos Gil
Sasha Litvintseva
Maria Loboda
Arnout Meijer
Adrien Missika
Saskia Noor van Imhoff
Diana Policarpo
Mariana Silva
Marta Soares
Tris Vonna-Michell
Curador: João Laia

O momento actual é caracterizado por mudanças aceleradas. Debaixo da superfície, forças tectónicas têm sofrido intensificações imponderáveis e forçado o questionamento dos contornos da realidade, outrora estáveis. A vida é agora definida pela imposição da noção de crise, que percorre as diferentes dimensões das estruturas sociais e a sua articulação com conceitos de ecologia, economia, política, representação e ciência.

Somos forçados a ocupar os interstícios de fronteiras fluídas, a assistir à fricção de movimentos caracterizados por forças opostas e por diferentes percepções de espaço e de tempo; um momento transitivo de condições e disposições híbridas no qual se afirmam novas entidades. A palavra “morfogénese” descreve o processo de desenvolvimento formal de um novo organismo. Este é um conceito recuperado à biologia que, aqui, assinala este momento de transição.

Esta exposição debruça-se sobre ideias de transformação e diferença, e, através de uma análise do momento presente e de uma abordagem especulativa sobre o futuro, pretende aferir o modo como estas alterações afectam a noção partilhada do que é a vida e do que pode, eventualmente, vir a ser. A selecção de artistas apresentados analisa o modo como afectos, capital, imagens, linguagem, objectos e sistemas se constituem e transformam enquanto circulam. A combinação das diferentes propostas de pesquisa destes artistas cria um mapa polifónico e abarca os paradoxos e complexidades da nossa condição actual.