END USER

Mariana Silva

22.03.2019 – 18.04.2019

10.jpeg
37.jpeg
05.jpeg
12.jpeg
16.jpeg
52.jpeg
01.jpeg
30.jpeg
34.jpeg
36.jpeg
41.jpeg
42.jpeg
02
Exit full screenEnter Full screen
previous arrow
next arrow

“Não estou interessada em terapia de grupo como performance, mas continuo interessada em performance. […] Que se foda, talvez.”
—Yvonne Rainer, catálogo da exposição Information (1970)

“O conteúdo do meu trabalho é a estratégia empregue para me certificar que não existe outro conteúdo para além da estratégia.”
—Keith Arnatt, catálogo da exposição Information (1970)

Na exposição virtual Explore, Experience, Enjoy (2013-2015) um texto de parede aparece fugazmente em vídeo. Nele, pode ler-se:

O início do século XXI viu a noite longa dos museus estender-se pelo mundo. Estas eram as noites dos desempregados e dos provisórios, povoadas por imagens de arte e cultura definidas como bem comum usado como tábua de salvação para as economias deprimidas dos chamados países desenvolvidos. À cultura pedia-se que atuasse no espaço especulativo entre propriedade intelectual, ideais de acesso

A instalação vídeo de dois canais foi realizada em 2013 como resposta à crise financeira que afetou Portugal e motivou a minha emigração para os Estados Unidos. End User foca-se no que ficou apenas implícito no trabalho incluído na exposição inicial, Environments, em co-autoria com Pedro Neves Marques, no espaço e-flux em Nova Iorque, em 2013. Na altura, Explore, Experience, Enjoy constituiu um apontamento daquilo que me parecia ser o centro de um furacão, o centro da crise económica cujos estilhaços, ativos tóxicos, e dívidas lançavam o caos em Lisboa. Tão inesperado como a queda do Muro de Berlim para a geração dos meus pais, o fim da União Europeia como a conhecíamos foi discutido por todos, dos telejornais às caixas dos supermercados—discussão que, desde 2012, sigo à distancia, do outro lado do Atlântico.

Voltar a esta instalação seis anos depois, significa desdobrar alguns dos seus elementos, tanto no que diz respeito ao período que passou desde a sua primeira apresentação como no significa mostrá-la em Lisboa. Através de algumas referências históricas, Environments focava-se na década de 1970 e no início da viragem económica neoliberal e financeira. Apesar de representar o início do ambientalismo e o questionamento dos limites da extração de recursos, este período ajudou ainda a estabelecer uma ligação coesa entre dados, estatística, e previsões económicas que provavelmente sobreviverão como elementos constituintes da tecnocracia às economias de carbono que ainda hoje subsistem. Explore, Experience, Enjoy foca a propagação da Arte Conceptual, enquanto história paralela a esta viragem neoliberal e financeira. A exposição virtual apropria a planta da exposição seminal Information (1970); trabalhos da exposição original são substituídos por outros objetos feitos em colaboração com o animador João Cáceres Costa.

A Arte Conceptual, na sua leveza e portabilidade, e tal como era referida pelo curador Kynaston McShine no catálogo da exposição, prometia uma circulação do objeto de arte até reservada apenas à mail art. Prometia, ainda, uma representação global do mundo da arte—evidenciada pelo facto de a exposição apresentar artistas conceptuais da América Latina. O fluxo global de informação tornou-se, desde então, central à contemporaneidade, com a arte a assumir-se progressivamente como um bem ativo, entre outros, viajando sem o atrito experienciado por aqueles que a fabricam ou a veem. End User relaciona uma exposição como Information com a arte tal como circula hoje em dia. Para lá de um discurso académico, a exposição assume a porosidade e a contaminação da economia, de bolhas especulativas, de desmaterialização e do digital. É como se, no seu desdobramento histórico, as fronteiras entre estes fenómenos se tornassem definitivamente inseparáveis.

A questão aqui não é tanto definir a origem ou a natureza da influência entre neoliberalismo e arte conceptual ou vice-versa. É antes questionar se o ênfase no conceptual em arte conceptual ofuscou o papel que o então emergente conceito de informação desempenhou na desmaterialização do objeto de arte: “a informação separou-se de bens sólidos como a pedra ou o papiro.”. (1) Pode um termo como informação ter sido um agente duplo entre a arte contemporânea e esta sociedade em mudança? Damos à ideia de informação a importância devida? O que acontece quando o fazemos?

End User desenvolve Explore, Experience, Enjoy para lá do seu enquadramento, tornando disponíveis cinco dos modelos gerados por computador (o meu trabalho, tal como outros trabalhos digitais, é maioritariamente distribuído por transferência de ficheiros ou pens USB). Disponibilizando estes modelos gerados por computador como múltiplos, inicia-se um diálogo com uma outra característica dos anos 1960 e 70: a utilização de múltiplos e de publicações como suporte para a obra de arte. Nestas, o conceito de informação, e a possibilidade de uma sua circulação acelerada, era também estrutural (2). Na segunda sala da galeria, transfiro para mobiliário de exposição a portabilidade do mobiliário insuflável doméstico e a sua utopia, tal como evocado na coleção Aerospace do designer Quasar Khanh. Por fim, a ligação especulativa entre uma exposição como Information e o mundo global da arte hoje, descrito acima, é contextualizado através de uma série de painéis impressos a UV.

Desde 2013 muitas coisas mudaram: Kynaston McShine e Quasar Khanh morreram; e os documentos que usei para reconstruir a planta de Information com a assistência da bibliotecária do MoMA estão agora disponíveis online; desde a crise financeira e da UE, também Lisboa importou uma versão da fórmula de gentrificação de que Nova Iorque foi caso-teste na década de 1970 quando a dívida da cidade foi resgatada (3). Para regressar ao texto de parede:

Algumas instituições foram lentamente reconhecidas como possuindo também estados psicológicos. Enquanto se desdobrava a natureza híbrida dos seus objetos, a sua deslocação no interior das exposições foi reconhecida como o início de todas as frases museológicas. Esta deslocação tornou-se um artefacto histórico em si. Definiu o que representar significa, espoletando a violência das teorias da

No entanto, o que não mudou desde 2013 é também significativo. Assim como noutros países em dívida, a agora dominante noção de uma classe precária foi central aos protestos anti-austeridade de 2011 em Lisboa. O rendimento básico universal—referido num mural em Explore, Experience, Enjoy—tem reemergido como ideia, uma e outra vez, à esquerda e à direita do espetro político. Em oposição ao conceito tech de “user experience,” quem ou o quê é o utilizador final (end user) destas formas de especulação no interior e exterior de um museu? Qual a cadeia de circulação e consumo a que nos referimos e onde pára? A quem serve e onde acaba?

 

 

 

 

 

(1) McLuhan, Understanding Media, 89. Citado em Ursula Anna Frohne “Art In-Formation: American Art under the Impact of New Media Culture” American Art, Vol. 27, No. 2 (Verão 2013), 38-43. McLuhan foi um teórico importante tanto para McShine como para Lucy Lippard.

(2) “Com um mundo da arte que sabe mais rapidamente sobre trabalho recente, através de reproduções e a disseminação de informação através de periódicos, um mundo alterado pela televisão, filmes, satélites, assim como o avião a jato, é agora possível aos artistas ser verdadeiramente internacional; trocar ideias com os seus colegas é agora comparativamente mais simples.” Kynaston L. McShine, “Essay,” in Information, ed. McShine (Nova Iorque: Museum of Modern Art, 1970), 140.

(3) No entanto, é preciso relevar que estas narrativas englobem as especificidades locais de cada cidade. No caso de Lisboa, a gentrificação foi fortemente impulsionada pela alteração da lei das rendas que aconteceu em 2012, mais do que pela capitalização do papel da cultura e das artes, como aconteceu, por exemplo, em Nova Iorque.