DEMAIN, STABILISATION

Adrien Missika

11.11.2017 – 11.01.2018

Arrow
Arrow
Slider

A exposição de Adrien Missika, Demain, Stabilisation, apresenta um conjunto de trabalhos que parte da reflexão continuada do artista sobre questões como ecologia, metabolismo e a nossa relação com o ambiente. A exposição inclui uma série de esculturas que operam enquanto estruturas narrativas, combinando estratégias artísticas várias que exploram o humor dentro dos limites da arte conceptual, a subtileza poética existencial através de esculturas diagramáticas de luz, propondo também uma revisão performativa de práticas arquivísticas como obra aberta. A própria promessa do título, Demain, Stabilisation (amanhã, estabilização), anuncia um estado de concretização adiada, envolvendo o presente como uma zona entrópica, onde a homeostase é possível mas sempre adiada, fazendo lembrar as respostas negacionistas à actual crise climática.

A instalação Better Safe Than Sorry assume a forma de um arquivo aberto composto por uma série de sacos de terra feitos em tela de betão, um material patenteado utilizado no revestimento de valas e na construção de encostas ou bunkers. Sugerindo a possibilidade de um arquivo contaminado susceptível a mutação, cada saco contém uma quantidade abundante de terra sendo que num deles encontramos também uma variedade de sementes de polinização livre que podem ser recolhidas pelos visitantes, incentivando ao cultivo e à propagação de sementes não patenteadas. A terra é aqui tratada como um elemento raro, e cada saco é único na sua forma, com alguns deles a apresentar cortes ou intersecções que nos remetem para uma potencial disseminação ou fertilização acidental. Por outro lado, o título do trabalho relembra-nos as medidas preventivas que são tomadas em tempos de mudanças profundas, como por exemplo a criação do primeiro banco de sementes no norte da Noruega, o Vault.

The Relative Naive é um dispositivo mecânico para estabilização climática que funciona através da condensação e dispersão de vapor. Uma garrafa de água está acoplada a um aparelho que faz a extracção de humidade, representando assim um circuito fechado. A maquete deste humorístico protótipo de geoengenharia coloca em evidência a absurdez dos espaços climatizados, representando também as condições artificiais dos arquivos de conservação. Este engenho regula a humidade do espaço para 50%, oferecendo à galeria um alívio atmosférico uma vez chegada a época das chuvas. Debruçando-se directamente sobre os sistemas de eficiência do planeamento urbano e as novas estratégias termodinâmicas das cidades, The Relative Naive lembra-nos que o controlo da climatização tem a sua origem numa posição de falsa neutralidade, uma tentativa discriminatória e classista de eliminar o desconforto de alguns, criando por outro lado respostas entrópicas. Ao mesmo tempo, a ingenuidade cool sussurrada pela paisagem alpina no logótipo das garrafas Evian não anula a economia perversa do engarrafamento de recursos naturais numa época de crescente patenteamento natural.

Plus ou Moins (Psychometric Portrait) inclui doze esculturas de parede, em que higrómetros modificados têm inscritas diferentes emoções pessoais: desde ilusão, ansiedade e crença, a serenidade e empatia. Trocando a psicrometria – que se ocupa da medição da humidade – pela psicometria – a categorização de capacidades e processos mentais -, somos conduzidos pelo levantamento das nossas alterações de humor e fragilidades e suas flutuações devido às mudanças do tempo. Estes estados podem ser lidos em inscrições caligráficas na parte da frente dos higrómetros, através de uma leve marca da mão humana nesta peça de tecnologia industrial, onde os resultados das medições dependem, como por magia, da reacção de um cabelo humano escondido. O perfeccionismo manual do calígrafo profissional reflecte aquele de uma impressora encantada ou a de um profeta industrial. Somos aqui apresentados a um gesto biónico que apela à subjetivação maquínica do observador.

Colony Collapse Disorder é uma série de esculturas em néon a partir de desenhos agitados que representam os movimentos coreográficos das abelhas quando comunicam a localização dos seus alimentos. Nesta série de desenhos que irradiam luz, os diagramas têm formas livres e irregulares, representando comprimentos de onda instáveis e mapas enviesados que lançam a sugestão de que a arquitectura social desta espécie poderá estar a colapsar. De facto, Colony Collapse Disorder é o nome de uma síndrome que afecta comunidades de abelhas por todo o mundo e que está a conduzir à ameaça da sua extinção, devido à sua desorientação.

Margarida Mendes