A Galeria Francisco Fino iniciou a sua actividade em 2012 com a apresentação de projectos expositivos em diferentes espaços culturais da cidade de Lisboa. Movimentando-se por territórios diferenciados – instituições museológicas e estruturas comerciais -, a galeria apresentou-se, nos primeiros anos, num formato nómada, alinhado com a dinâmica de mobilidade do sistema da arte contemporânea. A programação proposta, com exposições de artistas como Fernanda Gomes, David Maljković, Karlos Gil e Tris Vonna-Michell, entre muitos outros, situou este projeto galerístico móvel enquanto plataforma constante de apresentação, divulgação e promoção da arte contemporânea nacional e internacional.

Em 2017, a Galeria Francisco Fino estabelece-se numa localização fixa, continuando, contudo, a posicionar-se em toda a amplitude da geografia cultural através de parcerias e ligações com diversas instituições e eventos que formam o tecido artístico.  A representação de artistas de várias nacionalidades articula-se com um programa de investigação cultural, ancorado  na produção de discurso crítico e analítico através do investimento num política regular de publicações e outros suportes de divulgação de conhecimento.

Paralelamente à actividade comercial, a Galeria Francisco Fino assume-se como território  de diálogo entre artistas, curadores e outros agentes do  campo artístico, comprometido com a estética e a cartografia cultural contemporânea.